quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

de(coração)

Para pendurar no puxador da porta, no roupeiro ou onde a vossa imaginação quiser. Perfumados com alfazema cá do sítio.




segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

o respeito e a disciplina que a todos se impõe

Uma exposição a que não podia faltar, vai ficar pelo MUDE - Museu do Design e da Moda, até 2 de Novembro. Aqui pode ver-se uma selecção do mobiliário produzido entre 1934 e 1974 para hospitais, escolas, tribunais, bibliotecas e outros edifícios públicos edificados no âmbito da Política de Obras Públicas promovida pelo Estado Novo.





quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

outono/onotuo


Estamos quase no Outono, a estação que nos grita "lembra-te que já não é Verão, mas aproveita que o Inverno ainda não chegou". A própria palavra, Outono, soa redonda, soa a recomeço, enrola-se na boca, e sai quase com igual sonoridade se a lermos de trás para a frente. Os miúdos voltam à escola, os graúdos voltam ao trabalho. A grande roda continua a girar, como na música dos Massive Attack, Hymn of the Big Wheel.  
No campo, mais que na cidade, esta estação é vital. Agora colhem-se os frutos mais tardios, como as maçãs, as uvas, os figos, os dióspiros ou os marmelos. Apanham-se as azeitonas que vão dar azeite para o ano inteiro. Recolhem-se pinhas e lenha para nos aquecer no Inverno. Há uma certa melancolia e ao mesmo tempo um frenesim no ar. As árvores perdem as folhas e revelam os trocos nus, ficam num estado de letargia até chegar o quente da Primavera. As folhas secas rodopiam ao vento e acabam por cair por terra, fertilizando-a e fazendo-a brotar de vida.
Ao contrário da formiga, que trabalha todo o Verão, aqui laboramos todo o Outono. Porque o Verão é rigoroso de calor e o Inverno rigoroso de frio. Mas, mesmo com tanto trabalho há sempre tempo para beber os últimos raios de sol, na espreguiçadeira da pérgola virada a sul.


sábado, 13 de Setembro de 2014