quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

já foste

A fornada de "já foste" está completa e chega mesmo a tempo das comprinhas de Natal. Uns já foram camisolas, outros casacos, em comum têm a sina de ter ido parar à máquina de lavar roupa no programa errado. Agora têm uma nova vida e estão prontos para abraçar um novo dono! Os maiores medem cerca de 40 cm de altura (2, 4 e 10), os mais pequenos cerca de 25 cm (3, 5, 6, 7, 8 e 9). Informações e encomendas em quimaterapia@gmail.com.








quarta-feira, 26 de novembro de 2014

cheias

Quando começam as cheias há "alguém" de quatro patas que fica muito feliz.





quarta-feira, 12 de novembro de 2014

por maus caminhos

Em mais uma colaboração com o portal Lifecooler, pedem-me para escrever sobre o Tejo, mas faço um pequeno desvio e vou falar-vos do Almonda. É praticamente a mesma coisa. Se tivermos em consideração que o Almonda desagua no Tejo, podemos dizer que o Almonda é já um pedaço de Tejo. Não vos vou falar da nascente, na Serra de Aire, nem da "foz" já bem perto da Golegã. Nem da cidade mais importante que banha nos seus parcos 30 km, Torres Novas. Vou antes sugerir o momento em que o rio entra nos campos agrícolas da lezíria, onde forma uma pequena lagoa que ganhou, em 1980, o estatuto de reserva natural - A Reserva Natural do Paul do Boquilobo. O único local no país a pertencer à Rede de Reservas da Biosfera da UNESCO. 

Grande parte dos mais de 500 hectares que constituem a Reserva estão na mão de particulares, que fazem uso agrícola das terras, com algumas restrições. Uma dessas restrições é só poderem cortar 70% das árvores. Ora, para quem tiver mais dificuldade em fazer contas é qualquer coisa como cortar 70 árvores em cada 100. Ficam 30. E 30 é muito pouco para tanta biodiversidade. Afinal é aqui que está instalada a maior colónia de garças da Península Ibérica. Além disso, os proprietários retiram os troncos grandes, que dão algum rendimento, e deixam ficar os ramos mais pequenos, que não dão sustento, mas que podem ser muito incómodos quando deixados no caminho. Um caminho estreito, ligeiramente mais elevado, que segue o curso principal de água e ao longo do qual se formam filas de choupos, freixos e salgueiros. 

Desta vez tivemos a sorte de os terrenos ainda não estarem alagados é lá conseguimos seguir caminho em campo aberto. Mesmo por maus caminhos, o Paul vale bem a pena uma visita. Todo o esforço é recompensado quando, depois de atravessar a zona de montado, se chega ao observatório estrategicamente virado para a lagoa. Daí, com uns bons binóculos, podemos observar o festim do corvo-marinho, da garça-real e da galinha de água, enquanto saboreiam mais uma refeição de peixe. O cágado-de-carapaça-estriada, a rã-verde, a lontra Lutra lutra, o texugo Meles meles ou a raposa Vulpes vulpes pode ser que se mostrem numa outra visita. 








segunda-feira, 3 de novembro de 2014

antes e depois x6

Ofereceram-me seis cadeiras com a minha idade. O design original fui encontrá-lo no MUDE e era, por coincidência, exactamente da cor que tinha pensado para elas, amarelo gema de ovo. Depois de muitas horas a lixar e pintar ficaram assim.  






quarta-feira, 29 de outubro de 2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

de(coração)

Para pendurar no puxador da porta, no roupeiro ou onde a vossa imaginação quiser. Perfumados com alfazema cá do sítio.